EnglishMaximedical
002.jpg

Profissionais da Saúde

Anvisa aprova prótese coronariana absorvível em território brasileiro

Tecnologia recupera originalidade das artérias e chega ao mercado para substituir stents

Uma nova tecnologia para tratamento de problemas do coração ganhou liberação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária para uso em todo o território nacional. O ABSORB, uma prótese coronariana à base de polímeros de ácido APLL, substituirá com ampla vantagem a atual geração de stents, dispositivos usados no tratamento de doenças arteriais coronarianas. Por ser absorvível pelo organismo após 2 a 3 anos do implante, o ABSORB permite que o órgão tratado retorne ao seu estágio evolutivo original, sem resíduos ou sequelas. O produto que já é amplamente usado na Europa e nos Estados Unidos, agora está à disposição também dos brasileiros.

O ABSORB é constituído por polímeros de ácido poli-L-láctico (APLL), revestidos com uma camada rapidamente absorvível de ácido poli-D-L-láctico (APDLL), que por sua vez contém e libera a droga Everolimus. O dispositivo mantém todas as propriedades da atual geração de stents com a vantagem de ser absorvido após 2 ou 3 anos, permitindo que novos procedimentos sejam realizados no local sem comprometimento do órgão.

Segundo o médico gaúcho Dr. Marco Wainstein, especialista em cardiologia intervencionista pela Universidade de Harvard, membro da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista, professor de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Coordenador médico do Laboratório de Hemodinâmica do Hospital Moinhos de Vento, as vantagens teóricas da prótese absorvível são inúmeras. “Por devolver as propriedades naturais do vaso tratado, o ABSORB elimina riscos para eventuais novos procedimentos no futuro. É uma evolução significativa no tratamento de doenças coronárias”, explica.

Fonte: 22b Comunicação